quarta-feira, 26 de outubro de 2011

"Não era apenas um cara comum..."








Não, você não era apenas um cara comum.










Tá vendo só, foi minha culpa, te descobri por trás desses olhos desejáveis e instáveis.
Já te olhei por todos os ângulos e confesso que não canso de notar que há algo em você, tão forte que me aprisiona de um jeito estúpido.
Me encara com seu jogo de palavras e me deixa sem saber o que dizer, escrever, pensar ou agir.
Seu verbo viver me faz ter certeza que o mundo pode ser algo mais instintivo.
Moro longe demais das suas estratégias e não me acostumo com suas possíveis inquietações.
Deixa eu sentir que o mesmo ar que respiro também entra pelos seus pulmões, me coloca nesse seu mundo incrédulo e me deixa viver de cabeça para baixo.
Talvez eu possa ser leve como você.
Ou eu nem chegue perto de ser.
Não emudeci durante tanto tempo, apenas me isolei para tentar entender que você talvez fosse tão normal quanto os outros.
Mas não, sua existência me atrai com tanta intensidade que chego a pensar que você não vive nesse mundo.
Mas eu só posso ver aquilo que quero e te vejo apenas perfeito, ah bonito...
Perdoe tamanha estupidez, vasculhei todos os trilhos e hoje me encontro sentada, em frente ao irreal criando bolinhas de sabão que se dissolvem pelo ar.
Você pode até me envolver com palavras, com a sua vontade de sentir tudo ao mesmo tempo.
E eu sinto tanto, tanto, quando escrevo pra você.
Eu só queria ser de verdade o tempo todo, sem precisar ser perfeita, pois se você fizesse parte de alguma história, teria que ser da minha.
Porque talvez a minha história fizesse par perfeito com a sua e nessa junção, eu pudesse entender porque você trancou meu peito com chave de ouro e fez brilhar sentimentos que não poderia cuidar.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. "Por que talvez... eu pudesse entender porque você trancou meu peito com chave de ouro e fez brilhar sentimentos que não poderia cuidar."
    Adoreii

    ResponderExcluir